quinta-feira, 12 de julho de 2018

Islamização da Europa, os Protocolos dos Sábios de Sião e o Brasil no Governo Mundial

Mais uma vez, com a lucidez característica de sua pessoa, o professor Loryel Rocha elucida-nos sobre uma das três agendas internacionais que visam o domínio mundial, as quais se fundem no topo da hierarquia secular, em uma só Agenda Internacional: o Governo Mundial.

Vale a pena sublinhar que o Professor, como ele próprio esclarece, não defende ideologias políticas.



Sobre o contexto do Brasil neste cenário, as palavras do mesmo:

"Em 1717 a Maçonaria foi criada. Em seguida, uma série de revoluções seguindo a “agenda” maçônica explodiram no mundo inteiro. O plano era criar a REPÚBLICA MAÇÔNICA UNIVERSAL. Para tanto, era preciso alterar o conceito de Nação e de soberania e introduzir novos conceitos e teorias. No século XIX, os intelectuais revolucionários (notadamente carbonários e maçons) lançaram uma série de livros usando a palavra “Pátria” em substituição à Nação. Depois, as literaturas cunharam a palavra “Pátria Livre”, depois apareceu a palavra e o conceito “Pátria Grande”, no início do século XX.

A “Pátria Grande” nasce como um conceito que implica em integração regional, “soberania” política, protagonismo popular, revoluções populares, desligamento dos reinos Peninsulares, um programa econômico posto a serviço das grandes maiorias "populares", criação de um bloco coeso latino americano, povos latino americanos em oposição ao anglo-saxão, etc. De onde surgiu essa ideia? Do cosmopolitismo da Maçonaria que previa a criação de BLOCOS CONTINENTAIS, aonde cada um deles seria responsável pela “regionalização da revolução” ao mesmo tempo que se encarregaria da implantação local e faseada da República Maçônica Universal, bloco esse submetido a um Governo Mundial.

O que está por trás da Ursal, do Foro de São Paulo, da Unasul, da Celac, etc? O conceito da “Pátria Grande”. É ele que está subentendido no artigo 4 da CF 88. Portanto, a “Pátria Grande” antecede em décadas a Ursal que, por sua vez, antecede o Foro de São Paulo. O Foro de São Paulo é um elemento (e não é o principal nem o maior) dentro deste grande conjunto: a “Pátria Grande”. Não foi o PT que criou a “Pátria Grande”. O partido pode ser extinto, de pode ter seu regostro cassado, pode ter todos os seus membros presos que NÃO altera em nada o projeto da “Pátria Grande”. Este continua inabalável e segue sendo implantado. Essas eleições ilegais são vitais para a concretização do projeto da “Pátria Grande” da República Maçônica Universal.

O maior problema do Brasil é o artigo 4 da CF 88, pois, todo o projeto depende dele. E qual candidato fala que o vai suprimir? Nenhum. TODOS estão enquadrados no esquema, TODOS."

"LEMBRE-SE 1: combater o PT NÃO é lutar contra o comunismo. 
LEMBRE-SE 2: a Pátria Grande é o que está por trás do Foro de São Paulo. 
LEMBRE-SE 3: NENHUM político fala em combater a Pátria Grande e alguns poucos rosnam baixinho contra o PT."

"JAIR BOLSONARO ANUNCIA NA CÂMARA APOIO DE 110 DEPUTADOS PARA SEU PROVÁVEL GOVERNO

O deputado Francischini e o próprio Jair Bolsonaro alardeiam o grande feito que sua pré-candidatura já conta com o "apoio" de 110 deputados. O "apoio" serve para quê mesmo? Para um futuro governo? SE for, tal anúncio é no mínimo insólito dado que, o "apoio" esconde - como disse Cristina Bassôa De Moraes e Andrea Rossi Hilbk- um detalhe : o cumprimento do "compromisso" depende da reeleição!". Ou seja, para garantir o "apoio" os 110 deputados precisam ser reeleitos, ou não?

Assim, cabe a pergunta: Jair Bolsonaro garante como esse "apoio"? Acaso ele tem como garantir que esses mesmos "apoiadores" serão reeleitos? Para que o "acordo" possa ser de fato efetivado ele foi feito com os chefes de partidos, ou não? No entanto, no vídeo, Bolsonaro afirma que não pode falar o nome dos deputados para eles não sofrerem "retaliação" do partido.

A garantia do "acordo" dará o quê em troca? Ministérios? Secretarias? Estatais? Diretorias?

Outro detalhe intrigante. Quase 98% dos deputados do atual Congresso estão denunciados na Lava-Jato. É muito interessante ter surgido tantos "conservadores éticos" neste momento do Brasil. Mas, essa maracutaia toda da equipe de Bolsonaro não é, de modo algum, a velha e consabida prática do "presidencialismo de coalisão", não é mesmo?

Todo mundo que não é de esquerda quer ver mudanças no Brasil. Mas, que sejam, de fato, DIFERENTES. E até agora, Jair Bolsonaro tem se mostrado altamente eficiente para ser o MAIS DO MESMO, e com um sério agravante: travestido de MESSIAS SALVADOR DO BRASIL.

Francischini e Jair Bolsonaro precisam vir à público para explicar como garantirão o "apoio" de deputados que precisam se REELEGER.

Uma eleição ILEGAL não deixará de ser ILEGAL porque Bolsonaro e todos os ratos do Brasil estão se candidatando. Este homem, SE tivesse um mínimo de brio e espírito aguerrido como um Carlos Lacerda teria tomado outros rumos quando a Lei do Voto impresso (de sua autoria, por sinal) foi derrubada pelo TSE e STF.

Essa JURISTOCRACIA do judiciário vai custar MUITO caro ao Brasil. Jair Bolsonaro e TODO o congresso nacional sabem, muito bem, para onde estão levando o Brasil. Só povo é que não caiu em si.

Nota especial: Jair Bolsonaro fala que "esse propósito que na verdade começou há 3 anos. Tudo foi planejado. Graças a Deus, tudo está sendo atingido a contento".

TUDO foi planejado por QUEM?"

"A CANDIDATURA DE JAIR BOLSONARO E O CADERNO DE TESES DO PT- QUEM ESTÁ POR TRÁS DESTA CANDIDATURA?

Nota especial do vídeo anterior postado. Jair Bolsonaro fala sobre sua candidatura: "esse propósito que na verdade começou há 3 anos. Tudo foi planejado. Graças a Deus, tudo está sendo atingido a contento". A candidatura não foi espontânea? TUDO foi planejado por QUEM? Quem são estes "ESTRATEGISTAS"?

Nós estamos em 2018. SE a candidatura foi PLANEJADA há 3 anos atrás, isso nos remete ao ano de 2015, exatamente quando, "misteriosamente" o nome de Jair Bolsonaro "aparece" como um "alvo" a ser abatido pelo PT.

O Cavalo de Tróia do PT."

Instituto Mukharajj Brasilan

Loryel Rocha

Priscila Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário