terça-feira, 27 de março de 2018

Accenture parceira das Nações Unidas para o Controle Tecnológico Biométrico Absoluto

Accenture à frente do registro biométrico global de refugiados em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).


"ACNUR: Sistema de Gestão de Identidade usa Biometria para melhor servir refugiados. A Accenture ajuda o ACNUR a fornecer um sistema de gerenciamento de identidade biométrico para registrar e verificar as identidades das pessoas deslocadas em todo o mundo. O ACNUR foi estabelecido em 14 de dezembro de 1950, pela Assembléia Geral das Nações Unidas. A agência está liderando e coordenando ações internacionais para proteger refugiados e resolver problemas de refugiados em todo o mundo. Seu objetivo principal é salvaguardar os direitos e o bem-estar dos refugiados. O ACNUR está implementando um Sistema Biométrico de Gestão de Identidade - BIMS - que rapidamente registra, duplica e verifica as identidades dos refugiados, garantindo que as pessoas certas recebam assistência onde e quando precisarem. O ACNUR enfrentou um desafio operacional chave: como identificar rápida e precisamente uma população em constante mudança de pessoas deslocadas em seus campos em todo o mundo, muitas vezes perto de regiões devastadas pela guerra. A agência havia experimentado diferentes ferramentas biométricas. Para melhor gerenciar sua (??) população global de refugiados, o ACNUR reconheceu que precisava de uma solução padronizada e integrada com uma base de dados centralizada para o gerenciamento de identidades. A ferramenta permitiria que os 7600 funcionários da agência melhorassem a proteção e o apoio para um número estimado de 33,9 milhões de refugiados em 125 países ao atravessarem as fronteiras. O novo sistema precisava atender a três objetivos: 

:: determinar rapidamente quais benefícios e serviços uma pessoa precisa; 
:: identidades seguras; 
:: melhorar a documentação para ajudar refugiados de longa data a encontrar soluções permanentes. 

O ACNUR selecionou a Accenture em 2013 para projetar e construir um sistema biométrico inovador. Ele se voltou para a Accenture por causa de sua solução independente de fornecedor - a Plataforma de Serviço de Identidade Única UISP -, que cria uma identidade única para cada indivíduo em uma população. A Accenture também ofereceu equipes biométricas experientes e um registro comprovado de implementações biométricas globais que fornecem serviços públicos para o futuro. Colaborando estreitamente com o ACNUR, em apenas seis semanas a Accenture configurou um Sistema de Gerenciamento de Identidade Biométrico piloto usando seu software UISP, adaptado às necessidades exclusivas da agência. A tecnologia captura e armazena 

:: impressões digitais
:: dados de íris
:: imagens faciais 

de indivíduos, fornecendo aos refugiados não documentados seu único registro de identidade pessoal. Como ele usa várias modalidades biométricas, o BIMS é mais inclusivo e preciso na correspondência de uma identidade e duplicação de várias tentativas de registro. Para atender às necessidades do ACNUR, o sistema biométrico tinha que ser durável (capaz de resistir a condições adversas de campo, como calor, poeira e umidade extremas), sempre ligado (capaz de trabalhar continuamente através de interrupções de energia e conectividade) e fácil de usar. Os campos de refugiados freqüentemente mudam e têm uma experiência tecnológica muito variada. A Accenture e o ACNUR puseram à prova uma versão inicial do BIMS durante um piloto de quatro semanas no acampamento de refugiados de Dzaleka, em Malawi. Os quase 17.000 refugiados do acampamento foram rapidamente registrados e verificados durante o piloto. Uma vez totalmente lançada, a tecnologia permitirá que os escritórios do ACNUR em todo o mundo identifiquem os refugiados usando reconhecimento de face, íris e impressão digital. O sistema oferece ao ACNUR a flexibilidade de implantá-lo local ou remotamente em áreas de alto risco, com a presença mundial da Accenture fornecendo suporte. O BIMS entregou rapidamente resultados impressionantes:

:: Envolveu mais de 120.000 refugiados que vivem em 9 campos na Tailândia em três meses, ordenados por grupos familiares, nacionalidade e tamanho da família, processando uma média de 3.000 matrículas por dia em seu pico.

:: Envolveu mais de 100.000 refugiados até hoje no Chade, a um ritmo de cerca de 2.500 matrículas por dia.

:: Capturou dez impressões digitais, duas imagens de íris e uma foto de rosto para a maioria das pessoas.

:: Entregou cartões de ração habilitados para as famílias cadastradas e verificadas.

“Depois de analisar os resultados do teste no Malauí e fazer recomendações para melhorias, estamos avançando e implantando um único sistema biométrico global para a agência que é rápido, intuitivo, seguro, móvel e durável em ambientes variados e desafiadores” disse Doug Greene, diretor de informações do ACNUR. "Iniciamos agora uma implantação global do sistema com início na Tailândia e no Chade”. 

Para os refugiados, o sistema lhes dá um registro de identidade permanente. "Eu posso ser alguém agora" (???), explicou um refugiado chadiano. "Estou registrado globalmente com a ONU e você sempre saberá quem eu sou." Ao unir-se à Accenture, o ACNUR está oferecendo serviço público para o futuro - melhor ajuda e proteção para os refugiados em crise."

Lembrando:

Cimeira iD2020 : o Programa global para o Controle Tecnológico Biométrico Absoluto





Nenhum comentário:

Postar um comentário